quarta-feira, 28 de abril de 2010

De Cusco a Puno, de Puno a Cusco

Aproveitando que resolvi fazer de 2010 o ano da solução das pendências e da organização do meu mundinho interior e exterior mais próximo, acho que chegou a hora de recolher os pensamentos pendentes e colocá-los nos seus devidos lugares.

Antes de prosseguir, um parêntese: as dicas e relatos sobre a trip de carro e de bike pelo Brasil, Argentina e Chile que vinham rolando terão continuidade, bem como sobre o Peru, Portugal e outros países da Europa, visitados em 2008 e 2009. O problema é que o espaço de tempo entre as últimas viagens foi curto demais para que eu conseguisse organizá-las na sequência e, agora, o plano é registrar o que ficou de mais legal ou relevante. E, claro, tem a tal da disposição. Posso estar super a fim de escrever sobre Veneza hoje, mas não suportar a idéia de fazê-lo amanhã e, como a finalidade, aqui, é ter prazer, simplesmente me recuso a escrever sobre algo que não esteja com vontade.

Voltando à arrumação, começo pelo e-mail enviado pela Meire, em agosto do ano passado, onde ela perguntava como eu havia feito o trajeto de Cusco a Puno, no Peru.

A minha resposta, enviada também por e-mail a ela (para quem eu espero ter sido, de alguma forma, útil), você lê a seguir:

"Fui de Cusco a Puno com um ônibus de linha, da Viação San Luis. Para comprar a passagem, fui até o Terminal Terrestre (a rodoviária) de Cusco, utilizando um dos milhares de táxis que circulam pela cidade (a viagem é baratinha; da Plaza de Armas até o Terminal Terrestre, durante o dia, você gastará uns 3 nuevos soles).

Salvo engano, o bilhete de ida custou 40 nuevos soles (ônibus leito). O ônibus era bom, decente, saiu no horário previsto e chegou antes até do que imaginávamos/estava previsto em Puno. Pegamos o ônibus das 22h e viajamos durante a noite. Embora eu estivesse um pouco receosa em razão de relatos que havia lido acerca das estradas do Peru, foi tudo muito tranquilo.

Dicas: compre com antecedência e, na hora de pegar seu bilhete, certifique-se de que a pessoa encarregada anotou na planilha de controle a venda do seu assento. Explico melhor: pelo que deu pra perceber, não há um sistema informatizado e integrado de venda dos bilhetes, de maneira que o controle é feito manualmente, num papel. Eu pedi pra ver, pra ter certeza de que meu assento não seria vendido duas vezes (mais uma vez, havia lido relatos a respeito disso, daí o meu receio).

Como nosso voo de volta para o Brasil partia de Cusco, voltamos para lá (ou seja, fomos de Puno para Cusco), só que, dessa vez, com um ônibus da
Inka Express, que, em razão das paradas turísticas, leva o dia todo para fazer o percurso. A mais legal, a meu ver, é Raqchi, com ruínas impressionantes. Se vocês estiverem com tempo, vale o passeio. Uma desvantagem da Inka Express é o preço: 45 dólares por pessoa."

Ruínas de Raqchi/Foto: Camila Guido

Se você está planejando uma viagem ao Peru que inclua uma visita ao Lago Titicaca, atenção para o último parágrafo que acabou de ler: sendo essa sua primeira ou última parada, faça do aeroporto de Juliaca (que fica grudado em Puno) o destino do seu voo ou, no segundo caso, o seu local de partida. Assim você economiza tempo e grana.

P.S. As informações sobre o Peru contidas neste post se referem ao mês de abril do ano passado, quando estive por lá.

5 comentários:

  1. Muito obrigado por compartilhar essas informações.

    Daniel Neves

    ResponderExcluir
  2. É um prazer poder dividir experiências, Daniel!

    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  3. Ótima dica! valeu!

    ResponderExcluir
  4. Ola, queria saber quanto tempo de viagem de cusco a Puno?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!

      Infelizmente, não lembro exatamente quanto tempo durou a viagem de Cusco a Puno, mas acredito que tenha sido algo em torno de 6 horas.

      De qualquer forma, o melhor é obter a informação junto à empresa de ônibus pela qual você viajará.

      Abraço!

      Excluir